26 outubro, 2017

Uma escapadinha até Olhão

Olhão é uma cidade piscatória onde os cenários e sons se centram na relação com o mar, situa-se no coração da Ria Formosa, uma rede intrincada de lagoas, canais, salinas e areais separados do Atlântico por um conjunto de ilhas que se estendem de Faro até à aldeia de Cacela Velha, perto de Tavira. 
Em cada recanto podemos descobrir a história e raízes desta terra, apreciar a arquitectura única, relaxar nas ilhas com praias com quase desertas, apreciar a deslumbrante vista da Ria Formosa e os habitats únicos  de fauna e flora, visitar os mercados onde encontra os os produtos mais frescos da região e deliciar-se com a gastronomia local.






Os Mercados Municipais de Olhão, um dos ex-libris da cidade, são há quase um século um dos postais ilustrados e local de visita obrigatória de Olhão.
Foram construídos em 1912, roubando espaço à Ria, e foram submetidos a obras de reabilitação mantendo o aspecto exterior, sendo o interior forrado com azulejos pintados. Cada um dos edifícios é apoiado em oitenta e oito estacas, ligados entre si através de arcos de alvenaria de tijolo. Exemplo modelar da arquitectura do ferro e do vidro, o edifício em tijolo e estrutura metálica, foi edificado para dotar a cidade de Olhão de uns mercados funcionais, e todos os dias, centenas de pessoas visitam os Mercados, em busca do melhor peixe, marisco, frutas e verduras.

Na fachada da Igreja de Nossa Senhora do Rosário pode ler-se: "À custa dos homens do mar deste povo se fez este templo novo, no tempo em que só haviam umas palhotas" e a sua fachada imponente atrai muitos olhares dos turistas que visitam a zona histórica de Olhão.
Na segunda metade do século XVIII a sua fachada principal foi reformulada, passando a contar com um coroamento de feição triangular. No seu interior, de uma só nave e transepto ligeiramente saliente, existem cinco altares. A capela-mor tem um retábulo e arco triunfal em talha dourada, um teto decorado com um fresco e uma imagem de Nossa Senhora do Rosário.
De construção barroca e situada nas traseiras da Igreja Matriz, a Capela do Senhor dos Aflitos, ostenta ao centro um painel de azulejos com a Crucificação de Cristo. Muitas pessoas, tanto residentes como visitantes, atraídas pelas velas que não se apagam, seja de dia ou de noite, fazem ali as suas orações.

Na zona histórica, onde podemos percorrer pelas ruas típicas e conhecer o comércio local, encontramos o Caminho das Lendas um circuito por 5 largos onde em cada um se conta uma lenda da cidade. Deixo-vos a Lenda do Arraúl: 
"Arraúl era um belo, filho da guarda-mor das colunas de Hércules, único sobrevivente da Atlântida.
Certo dia, Arraúl foi apanhado por uma tormenta que o arrastou para o oceano profundo onde uma baleia o engole.
Apesar do infortúnio, o jovem sobrevive, pois a baleia deposita-o em terra firme no sítio das parinhas – local onde se diz que começou Olhão.
Arraúl, imediatamnte se apaixona pelo lugar e tenta protegê-lo construindo uma enorme barreia de areia, com terras provenientes dos serros de São Miguel e da Cabeça, dando assim origem à formação das ilhas Barreiras da Ria Formosa."


1 comentário:

  1. Também não me importava de dar uma voltinha por esses lados!



    Isabel Sá
    Brilhos da Moda

    ResponderEliminar